Bitcoin supera US$ 46 mil e bate máxima em quase 3 meses; o que esperar do preço no curto prazo?

Categorias: Criptomoedas | Postado em 14.09.2021

No início de agosto, a bitcoin ganhou força, e durante o primeiro final de semana do mês, a criptomoeda chegou ao preço de US$ 46 mil, seu maior valor desde maio.

Às 12h15 (horário de Brasília), do dia 9 de agosto, a maior criptomoeda do mundo operava com alta de 6,9%, cotada a US$ 46.365.

Até aquele dia, esse valor era a sua máxima desde 16 de maio. 

Em reais, os ganhos eram de 6,3%, para R$ 242.071.

Para os investidores, o mercado se mostra otimista, após a forte queda nos últimos meses.

Ainda mais em um cenário em que a China elevou a sua perseguição aos mineradores e empresas que lidam com criptoativos.

Para completar o cenário, os discursos de Elon Musk, CEO da Tesla e comentários de integrantes de diferentes governos mostravam preocupação com as moedas digitais.

Mas agora, parece que temos uma boa tendência para o BTC.

Continue a leitura e entenda melhor sobre o que os especialistas esperam do preço a curto prazo.

Atualização da rede Ethereum

Com a atualização da rede Ethereum no inicio de agosto, o mercado se tornou ainda mais positivo.

Isso porque foram reduzidas as taxas do sistema e isso contribuiu para que a blockchain se tornasse mais eficiente.

De acordo com Bernardo Teixeira CEO da Bitcoin Trade, “a principal criptomoeda do mercado acompanhou o otimismo dos investidores em relação à atualização de rede Ethereum, que também está em alta. A pressão para comprar criptomoedas e a atualização da Ethereum, pode manter o Bitcoin em alta nos próximos dias”.

O que esperar da valorização do bitcoin e o seu preço

Diversos analistas já especulam sobre a continuidade do movimento de alta do Bitcoin.

Segundo o diretor de produtos e parcerias da Transfero, Safiri Félix, com o rompimento da marca de US$ 44 mil, os gráficos não apontam muita resistência para que uma valorização maior ocorra.

Agora, a meta é chegar aos US$ 50 mil, e firmando esse patamar, o próximo alvo passa a ser a máxima do ano, em US$ 65 mil.

O maior valor do Bitcoin foi atingido esse ano no dia 14 de abril, chegando a US$ 64.863.

Mais recentemente, um relatório publicado pela equipe de análise da Bloomberg aponta fatores positivos que poderiam levar o Bitcoin para US$ 100 mil.

Bem, essa meta pode acontecer caso mais empresas passem a aceitar a criptomoeda.

Mike McGlone, analista responsável pelo relatório, afirma que o Bitcoin e o Ethereum encontraram um forte suporte nos últimos meses e que agora estão em uma fase de alta.

O analista mostra essa expectativa tendo em vista o histórico da bitcoin.

“O Bitcoin parece ter encontrado suporte em torno da marca de US$ 30 mil, assim como fez em US$ 4 mil no início de 2019. Vemos paralelos com esses eventos e, aparentemente, o bitcoin pode chegar a US $ 100 mil”. Afirma McGlone.

Diante disso, observamos a forte correção dos preços em pouco mais de dois anos, e é possível repetir isso nos próximos anos. 

Você gostou desse artigo? Explore nosso blog e veja mais curiosidades e notícias do mundo das criptomoedas!